Uma das primeiras coisas que eu aprendi quando se fala à frente de um público é dizer "nós" e "vocês".
Eu não sei se o mesmo acontece com você mas, sempre foi um tal de nós e vocês, e nunca me pus a refletir sobre isso.

Ou seja, a coisa era mais ou menos assim:
- Nós estamos aqui para mostrar…
- Nós vamos precisar deste projeto…
- Sempre que (nós) procuramos uma saída para isso…
- Nós nos sentimos responsáveis…

E também o tal de "vocês":
- Vocês podem ver que…
- Como todos vocês sabem, nós podemos também…. (epa, essa tem os dois!)
- Assim como vocês irão participar de uma decisão…

E assim fui falando, achando que estava tudo certo. Mas o que eu descobri e que você também vai aprender? Você sabe dizer onde está o erro?

O fato é que, quando falamos, sempre falamos a alguém. Quanto mais pessoal for a nossa conversa, mais eficaz é a mensagem.
Não importa quantas pessoas estejam ouvindo você, mas se a sua linguagem for pessoal, com certeza ela afetará as pessoas de modo mais pessoal também.

Quando você fala "nós" ou "vocês", você está falando com todos, mas ao mesmo tempo com ninguém individualmente.
Por outro lado, ao falar "você", o registro mental inconsciente de quem o ouve capta uma mensagem individual, única e muito mais poderosa.

O contrário também é verdadeiro: quando se refere à sua própria pessoa, o palestrante muitas vezes fala "nós". Por exemplo, "Nós fomos convidados para dar esta palestra…". O quê? Todo mundo foi convidado? Não!!! só você, o palestrante, foi convidado! Diga, então, "Eu fui convidado…"!

Usar "nós" para se referir a si mesmo é uma falsa modéstia que interrompe o link pessoal de conexão que você deseja estabelecer.

(Eu ainda me pego usando esse "nós" e "vocês" algumas vezes. Fico muito p* da vida, mas um dia acerto a coisa.)

Quando você entende que sua apresentação é uma conexão entre Eu e Você, muita magia começa a acontecer.
É perceptível a mudança de comportamento das pessoas.
A mensagem, muito mais pessoal, ganha atenção, interesse e mais vida.
Você percebe o interesse do seu público, da sua equipe ou dos seus clientes.

Numa apresentação do tipo Eu e Você, não é só os seus ouvintes que entram neste estado pessoal de conexão.
Você também entra no mesmo estado!
Ou seja, você não vai mais falar para um grupo (o que é temido por muitas pessoas), mas você se condiciona a falar apenas para uma pessoa!
Sua mente se adequa a este modelo, "entende" que pode falar "individualmente" com um grupo (paradoxal, não?), e sente-se mais confortável…afinal, conversar um-a-um é o que você está habituado a fazer, não é?

Qual o benefício adicional para você, então?
Menos nervosismo. Uma conversa pessoal gera uma tensão menor.
Só nisso a dica já tem um grande valor.
Fantástico, você concorda?

Pra finalizar, eu vou deixar aqui dois exemplos dessa aplicação para você ter uma idéia.
O primeiro é este próprio artigo: se você o reler, vai perceber que usei muito o Eu e Você, apesar de a publicação estar disponível para milhares de pessoas (internet). Não importa: neste exato momento, nossa conexão é pessoal. Eu e você. Legal!!

O segundo exemplo é um famoso cartaz mostrado abaixo, de convocação para alistamento militar nos EUA. Com certeza você já viu, mas observe a linguagem, e o dedo do sujeito apontando.

Veja o texto: Eu quero Você!!

Sabe para quem ele aponta?
Isso mesmo: para Você!

Quer mais pessoal que isso?

Pense nisso, e boa semana!! Pra você!

 








17 Responses to “Numa Apresentação, não diga “nós” ou “vocês””  

  1. 1 Site www.Via6.com.br

    Opiniões sobre este artigo através dos internautas do Via6 em http://www.via6.com/topico.php?cid=7519&tid=66400&id_link_rec6=30600

  2. 2 Max

    Eu demorei muito para corrigir - cometia este mesmo erro! Realmente, quando passamos a mensagem de uma forma direta seus efeitos são bem mais visíveis. Parabéns pelo colocado!

  3. 3 Adeninlton

    Realmente, é muito mais impactante quando se individualiza uma conversa para várias pessoas ao mesmo tempo. Parabéns pelo artigo.

  4. 4 Cida

    Legal, já participei de palestras sobre a forma de nos colocarmos a frente de uma platéia. O impacto é fantastico quando individualizamos a relação com o publico, muito bom seu artigo. Parabéns!!

  5. 5 Daniela Guimarães

    É difícil… O Vício do “vocês” e “nós” pega mesmo. Mas nada como boas dicas. Parabéns!

  6. 6 Luciano Muchiotti

    Poxa, que bacana esse texto. Realmente mais de 90% das apresentações são dessa forma, e que legal “eu” falar para “você”.
    Parabéns pelo texto.

  7. 7 Sandra Feitosa

    Muito bacana esse artigo,assim passaremos a observar as pessoas e passaremos para elas,que "eu" me preocupo com o "você"!  sandra feitosa tauá

  8. 8 Prof Helder

    Ainda hoje eu falei muito Nós e Vocês!!!!!!!!!!!!!!!! Mas eu irei
    corrigir isso para que eu e você possa continuar a levar mais e mais
    conhecimento na rede.

  9. 9 wener

    Opa! Excelente artigo.
    Obrigado…

  10. 10 andre

    pqp! acabou de mudar minha vida. só entrei aqui tentando descobrir se ainda se usava acento em “vocês” e acabei q aprendí muito com isso. mudou totalmente o texto do email q eu estava mandando… obrigado.

  11. 11 paulo

    Não podemos esquecer que um palestrante abusando do “EU” estará sujeito ao efeito inverso da “falsa modéstia”, podendo passar por arrogante.

    Quanto ao exemplo do “I Want You”. . . . em inglês não existe esse problema, pois não existe o “Yous” ;-)

    Mas, resumindo, as duas modalidades são válidas, e depende da habilidade do orador sabe como dosar o uso do Eu, Nós, Você e Vocês.

  12. 12 Thomas

    Durante minha graduação meus professores sempre me corrigiam quando eu dizia Eu ao invés de Nós quando fazia uma apresentação. Mas tem uma coisa que me deixou intrigado quando li o texto. Como dizer Você quando se está conversando com um grupo? Creio que esse tipo de comunicação, mais pessoal, é bem vindo, por exemplo, em blogs…

  13. 13 Alex

    Excelente para apresentação de projetos. Faz todo sentido do mundo!

  14. 14 Sylvana

    Adoro suas dicas,esse site é um grande apoio, inclusive a desse artigo é maravilhosa, porém vale lembrar que algo pode ser muito bom em uma direção e na outra ter proporções diferentes, o uso do EU terá seus momentos e seus segmentos, em uma comunidade acadêmica, em um discurso científico o uso da primeira pessoa é praticamente inaceitável. Pode inclusive arruinar nosso trabalho.

    Estamos sim em um momento de quebra de paradigmas nos discursos científicos,momento de mudanças,de rever conceitos, em um momento de sermos flexíveis, assim como os carros “flex”, de relatividade…Mas ainda não alçamos vôos tão longos. O discurso científico tem suas particularidades e se “vc” não tiver no mínimo alguns pós doutorados, livros, aprovação e reconhecimento dos seus pares, além de anos e anos de pesquisas, evite ao máximo o EU… No caso, é claro de estar se dirigindo a uma comunidade acadêmica, ou mesmo aos seus alunos…É antipático, pernóstico, antiético…

    Porém, tenho certeza que em um trabalho de vendas, de lançamento de algum produto onde vc tenha q se dirigir ao mercado ou a um grupo de executivos, discursos dirigido ao publicos em geral, politicos, inaugurações etc, etc, etc o uso da primera pessoa, o EU é muito bem vindo pois coloca vc onde realmente vc deve estar, dentro do contexto, é mais emotivo, pessoal e consegue chamar atenção, em muitos caso pode até ser bem mais simpático, pq vc esta ali no contexto junto ao seu publico…

    Beijo grande a todos!

  15. 15 Patrícia

    beeeemmm relativo isso.

    depende mto em que situaçao vc esta e quem vc é….

    se vc representa uma entidade, por exemplo, e vai falar em nome dela, nao pode ficar usando eu, eu, eu… porq vc esta ali representando uma instituição… e fala por ela e todos os demais da diretoria entao, vc deve dizer NOS….

    e o VOCE num discurso tambem pode ficar inapropriado, porq pode parecer intimista d dependendo do ambiente.

    ta certo que se tiver numa palestra que é sua… claro que vai dizer EU…a linguagem depende do ambiente e o contexto em que se esta… generalizar neste caso nao é recomendavel… é a mesma coisa que usar calça jeans e tenis em todos os lugares….

    Patricia

  16. 16 Naiara

    O texto é muito interessante, pois a maneira de falar pode fazer toda a diferença. No entanto, acredito que a dica do “vocês” pelo “você” pode ser válida em alguns momentos, mas tenho a impressão que a troca do “eu” pelo “nós” deve ser feita de maneira muito mais criteriosa. Pois existe uma diferença de aplicação destes pronomes em alguns discursos e em algumas situações. Noto que a utilização do “nós” pode provocar um sentimento união e de convocação ao humano que o uso do “eu” não poderia atingir tão eficazmente.

  17. 17 Luciano Marcos de Siqueira

    Gostei muito das dicas e fiz anotações para uma apresentação para minha corporação, no próximo dia 26 de fevereiro, em minha cidade. Retornarei para contar como foi.

Leave a Reply